quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Tradição: Deputado Tomba Farias defende prática da vaquejada no Nordeste



Foto: Eduardo Maia/Assecom ALRN
O deputado Tomba Farias (PSB) fez pronunciamento na sessão plenária desta terça-feira (25) em defesa da prática das vaquejadas no Nordeste, atividade que tem a sua realização ameaçada por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ajuizada no Supremo Tribunal Federal (STF), alegando maus tratos aos animais.
O parlamentar solicitou o apoio da Casa na defesa da atividade, segundo informação da assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa do RN.
“Faço um apelo aos colegas para enviarmos ao ministro Luís Roberto Barroso, que pediu vista ao processo, um documento fundamentando a importância social e cultural da atividade no Nordeste”, disse o deputado do PSB.
De acordo com o deputado, a vaquejada movimenta anualmente cerca de R$ 5 milhões em premiações no RN.
“Além disso, os leilões fazem circular aproximadamente R$ 15 milhões na comercialização de cavalos para a atividade”, afirma.
Para ele, o fim das vaquejadas traria um reflexo negativo para a economia do estado.
“A vaquejada não é uma prática que expressa apenas a tradição do povo nordestino. É uma atividade de geração de emprego e renda que contempla inúmeras especialidades profissionais e estimula muitos setores econômicos”, diz Tomba Farias.
O parlamentar também negou que a atividade cause maus tratos aos animais.
Segundo ele, a atividade é regida por normas da Associação Brasileira de Vaquejada (ABQAV) que vedam abusos aos animais.
“É preciso ressaltar que ninguém está defendendo a tortura de animais. A prática atual não aceita qualquer tipo de abuso aos mesmos”, concluiu o deputado.
Em aparte, o deputado Kelps Lima (SDD) sugeriu a formação de uma comissão com representantes da atividade e da ALRN para realizar uma visita aos ministros do STF.
“Precisamos de uma ação articulada para demonstrarmos, pessoalmente, a importância cultural e social da vaquejada”, propôs o parlamentar.
George Soares (PR) também declarou apoio ao tema.
“Sou defensor da prática e propositor da Lei do Vaqueiro no RN. O STF precisa compreender a importância da vaquejada para o fomento da economia e manutenção da cultura nordestina”, declarou.
O deputado Gustavo Fernandes (PMDB) lembrou que foi propositor do projeto que reconhece a Associação dos Vaqueiros Amadores do RN (Assovarn) como instituição de relevância social.
Os deputados Hermano Morais (PMDB), Ricardo Motta (PROS), Dison Lisboa (PSD) e Carlos Augusto Maia (PTdoB) também se pronunciaram em favor da atividade.
fonte do blog de deusdeth mauricio