quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

2015: união e luta contra a seca



Um dos cenários mais conhecidos e belos do interior do Rio Grande do Norte é o açude Gargalheiras, em Acari. Durante os períodos em que o reservatório está com a capacidade máxima, o sangradouro se transforma em ponto turístico e também dá a ideia de como está a vida dos agricultores da região Seridó. Porém, o volume de água está longe dos 44 milhões de metros cúbicos de capacidade, inviabilizando boa parte das atividades do local, sinal de que os tempos estão difíceis no meio rural. Esse é o cenário encontrado atualmente. Para amenizar os efeitos de uma das piores secas da história, a Assembleia Legislativa não tem medido esforços.

Em 2015, os municípios do Rio Grande do Norte conviveram com o quarto ano consecutivo de seca. A estiagem deixou pelo menos 18 cidades em colapso total de água e quase metade dos municípios enfrentando rodízio de abastecimento. O assunto foi o principal tema dos debates no plenário do Poder Legislativo do Rio Grande do Norte, que acompanhou e fiscalizou as ações de combate à crise hídrica, através da Frente Parlamentar da Água e do Comitê de Ações de Combate à Seca.

“Os 24 deputados estão engajados na luta contra a seca no Rio Grande do Norte. O assunto foi tema de debate em audiências públicas, reuniões com o Poder Executivo, e no plenário, onde todos solicitaram ações urgentes para solucionar a crise hídrica que vivemos. O nosso trabalho continua até que as obras da adutora de engate rápido, em Currais Novos, a barragem de Oiticica e ações no Alto Oeste tragam soluções definitivas, assim como as águas da transposição do São Francisco”, afirmou o presidente da Casa, Ezequiel Ferreira.

Audiências públicas, reuniões e discussões de projetos foram constantes durante o ano. O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, esteve no Legislativo potiguar para discutir as obras da Transposição do Rio São Francisco durante o “RN pela Transposição”, realizado em parceria com o Senado Federal e contando com a participação de autoridades e representantes da sociedade civil.

Porém, a Assembleia não se limitou a discutir a seca com gestores. Em audiência pública no Parque Aristófanes Fernandes, durante a Festa do Boi, os deputados se reuniram  com os principais representantes de entidades ligadas ao meio ambiente e aos recursos hídricos para discutir, junto com o setor.

agropecuário, as soluções para a estiagem prolongada, que atinge diretamente os criadores e agricultores do Rio Grande do Norte. Na ocasião, a Assembleia apresentou um documento contemplando uma série de proposições aos Governos Federal e Estadual com medidas emergenciais de enfrentamento aos efeitos do longo período de estiagem no RN.

Fora do estado, os deputados também tiveram participação ativa na discussão sobre a seca. A Frente Parlamentar da Água, presidida pelo deputado Galeno Torquato, e o Comitê de Ações de Combate à Seca, presidido por Ezequiel Ferreira, estiveram juntos à Frente Parlamentar de Combate à Seca da Paraíba, em julho, durante reunião que marcou a união dos dois parlamentos em prol de soluções aos efeitos da estiagem. Na ocasião, os deputados do Rio Grande do Norte visitaram as obras do eixo norte da transposição do Rio São Francisco, que beneficiará os potiguares, e estreitou as relações com os paraibanos, com quem tiveram reuniões durante o ano para discutir o uso dos recursos hídricos que são compartilhados pelos estados.

Em Brasília, o presidente Ezequiel Ferreira participou de reunião com a bancada federal para tratar, entre outros assuntos, de projetos de irrigação e sistemas de abastecimento de água para o Rio Grande do Norte. “A seca é um problema que não pode ser negligenciado e a Assembleia tem cumprido seu papel. Em 2016, com toda certeza, o Legislativo permanecerá trabalhando para o benefício do estado”, disse Ezequiel Ferreira.


O Comitê de Ações de Combate à Seca interliga as frentes da  Água e  do  Incentivo ao Setor Produtivo.
fonte do blog de calos costa