domingo, 3 de janeiro de 2016

O verão em Tibau: diversão para uns, dor de cabeça para os moradores nativos

Foto: Valéria Lima



Conhecida com a praia dos mossoroenses, Tibau tem sua população ampliada de 4 mil para cerca de 80 mil habitantes nesse período do ano. Mas, o que é a diversão de muitos, passa a ser a dor de cabeça para tantos outros.

Os outros, no caso, são os moradores da cidade, que não estão nada acostumados com o barulho ensurdecedor dos famosos e temidos paredões de som.

O MOSSORÓ HOJE foi até o município de Tibau e ouviu vários moradores sobre o assunto, que divide opiniões.

De acordo com a gari Josélia Pereira, todos os anos acontece o mesmo. Segundo ela, em determinados momentos o barulho é tão ensurdecedor que é preciso chamar a Polícia Ambiental.

"Aqui na minha rua, tem uns que gostam de colocar o som bem alto, ano passado tive que chamar a Ambiental, acho muita falta de respeito com o povo", relata a moradora.

Josélia conta que às vezes conta com o bom senso dos veranistas, porém, nem sempre consegue convencê-los.

"Tem uns que a gente pede pra baixar e baixam, mas tem uns que não, eles pensam somos obrigados a ouvir tudo que eles ouvem naquele volume", finaliza.

O mesmo acontece com a aposentada Dona Dudu, que mora próximo ao Arena, onde são realizados os shows da cidade.

Dudu confessa que houve dias em que não conseguia nem dormir. "Eu colocava o travesseiro na cabeça, tapando os ouvidos, mesmo assim não adiantava", diz.

"Esse ano, ainda não está muito barulho, porque o povo ainda está chegando. Mas, sempre tem. Não dá pra controlar o barulho. Quando a polícia chegar para apreender um paredão, já tem outro ali. Quem vem para cá pra descansar, não consegue ", afirma aposentada.

Assim como Josélia, Dona Dudu afirma que houve situações em que pediu para diminuírem o volume, mas sem sucesso. “Se a gente for pedir para baixar, ficam com raiva da gente".

Para a autônoma Jucilene Barbosa, o problema é o mesmo. Mãe de uma menina de dois anos e um menino de nove, ela relata que tem dificuldades em colocar os filhos para dormir.

"Ano passado foi horrível, o pessoal que alugou a casa vizinha colocava o som alto. Pedimos para baixar e não baixavam", conta.

O pior, segundo Jucilene, é que o som é principalmente à noite. "Passo o dia trabalhando, chego à noite cansada, querendo dormir, e é o momento em que o som está mais alto", afirma a autônoma que vende doces e salgados.

No entanto, há um contraponto nesta história. Jucilene afirma que mesmo com o barulho, não pode reclamar porque esse é período em que ela mais vende.

"É quando tem mais gente, que eu vendo mais. Então, nem posso reclamar” diz ela.

Outros comerciantes que conversaram com o MOSSORÓ HOJE afirmam que a poluição sonora acarretada pelo momento festivo traz benefícios para o município, no sentido de atrair turistas.

Para Eduardo Crispim, dono de uma loja de roupas no Centro de Tibau, o barulho é uma das consequências do período de veraneio.

"É festa né?!É público e querendo ou não, está trazendo benefícios para a cidade", afirma.

A opinião da comerciante Ivine Nolasco é a mesma. "O barulho não me incomoda tanto, acho que é também porque eu gosto de toda essa movimentação", afirma Ivine.

Polícia Ambiental estabelece local para uso de paredões de som

Em conversa com o MOSSORÓ HOJE, o comandante do Companhia Independente de Proteção ao Meio Ambiente (CIPAM), Capitão Almeida, falou sobre as medidas adotadas para coibir a poluição sonora durante o período de veraneio no município de Tibau.

Segundo ele, foi estabelecido que o local em frente ao Arena Show, na entrada da cidade, é o indicado para utilização de carro de som e paredões.

A medida foi decidida na última semana em audiência pública com a Prefeitura de Tibau, vereadores, Ministério Público, Polícia Militar e Ambiental, entre outras autoridades.

"Escolhemos este local porque já recebe a manifestação festiva, devido ao Arena Show. Orientamos a população que quiser ouvir som alto, deve se deslocar para o local nos horários determinados".

Capitão Almeida ressalta que não é porque o local foi determinado, que será permitido o uso abusivo de som.

"Não é porque o local foi determinado, que a pessoa pode ficar com o som lá 24h. Para o uso do som foram determinados os horários de segunda a quinta, de 12h às 22h, e de sexta a domingo, das 12 às 0h”.

Almeida explica que os proprietários de som podem ficar com o aparelho ligado também nos dias em que tiver festa no Arena Show, a única restrição é que o som deve ser desligado com o término da festa.

"Evidentemente que, havendo excessos, os policiais podem ir no local e tomar as medidas cabíveis”, esclarece.

De acordo com Almeida, se os policiais chegarem ao local e constatarem os níveis de decibéis inadequados, o proprietário do som será autuado em flagrante por poluição sonora.

Caso vizinhos denunciem e a irregularidade seja constatada, o dono do veículo pode ser autuado também por perturbação ao sossego alheio. Nesse caso, no mínimo duas pessoas devem fazer a denúncia e se encaminhar também para delegacia e registrar a queixa.

"Muitas vezes, o policial chega no local denunciado e não consegue constatar a poluição sonora, mas pode autuar o dono do aparelho sonoro por perturbação ao sossego alheio. Quando a pessoa que fez a queixa é identificada e vai a delegacia prestar a denúncia, o dono do som pode ser atuado". explica Almeida.

Durante o período de veraneio em Tibau, estão atuando três policiais ambientais que compõem o CIPAM, e uma viatura está sendo usada pelo policiais. A recomendação final é que os veranistas sigam as orientações das autoridades, respeitem os limites estabelecidos, e assim todos possam conviver em tranquilidade até o fim do verão.
fonte do site mossoro hoje