terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Supervisor de endemias de Angicos diz que controle do mosquito aedes aegypti no município se encontra em nível muito satisfatório





Após ouvirmos muitos comentários e pedidos de leitores sobre em que pé se encontra a situação de combate ao mosquito aedes aegypti que é transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus em solo angicano, a reportagem do nosso blog resolveu procurar quem realmente está capacitado para falar sobre o tema de forma segura e não deixar duvida nem muito menos causar pânico a população com fatos sem nexos.



Fomos à secretaria municipal de saúde e procuramos o Senhor Jacauna Lopes de Araújo que há mais de 10 anos trabalha com o combate e controle de doenças endêmicas dentre elas as que são transmitidas pelo vetor aedes aegypti, que, são no caso a dengue, a febre chikungunya e zika vírus.


De forma atenciosa o supervisor nos recebeu em sua sala e nos repassou as seguintes informações: Desde o final de mês de novembro de 2015 quando a secretaria municipal de saúde recebeu do ministério da saúde um documento chamado de “referencias normativas para intensificar as ações de combate ao mosquito aedes aegypti”, que nós que fazemos o setor de endemias estamos realizando ações contundentes seguindo todas as normas técnicas explicitadas no referido documento.


A secretaria municipal de saúde tem nos dado totais condições para que realizemos o nosso trabalho de forma a garantir o baixo índice de infestação predial, ou seja, o numero de focos do mosquito dentro do nosso município no padrão que é tido como seguro pelo ministério da saúde, afirmou Jacauna.


Entre as ações que são preconizadas na normativa que fora enviado pelo ministério o município já vinha realizando muitas delas de forma preventiva, pois, nós trabalhamos para que o mosquito não nasça esse é o principal motivo de termos um índice tão baixo de infestação em nossa cidade, explicou Jacauna Lopes. Só para os amigos leitores terem uma ideia de dezembro do ano passado até meados do mês de fevereiro deste ano a equipe de agentes de endemias já visitou e tratou por duas vezes todas as residências, prédios e terrenos de nossa cidade fazendo o tratamento total dos reservatórios de água, enquanto que o normal seria esses logradouros serem visitados em formativo gradativo por ciclo como os agentes fazem rotineiramente, no entanto, trabalhamos praticamente dobrado para alcançar essa meta e mantermos a cidade tranquila, longe dos focos do mosquito, disse o coordenador de endemias.


Lembramos também que estamos realizando mutirões desde o ano passado andando bairro por bairro, casa a casa distribuindo panfletos e recolhendo qualquer tipo de detrito que possa a vir se tornar criadouro do mosquito contanto com a ajuda dos agentes comunitários de saúde, da equipe de vigilância sanitária, educadores, igrejas, enfim a sociedade civil foi mobilizada pela secretaria municipal de saúde para nos ajudar nesta prevenção contra o mosquito aedes aegypti.

Outra ação digna de ser ressaltada pela atual gestão municipal é que no período de carnaval o prefeito Municipal Junior Batista junto a secretária municipal de saúde Jocilene Ovídio, firmaram uma parceria com a equipe dos agentes de endemias onde estes trabalharam durante os 4 dias de carnaval e a quarta feira de cinzas objetivando reforçar o combate a não proliferação dos criadouros do mosquito durante o período momesco, pois, fora visto que passar cinco dias sem tratar os reservatórios poderia desestabilizar o trabalho de não deixar o mosquito nascer.


Foi montada também na secretaria de saúde uma sala de controle e enfrentamento de casos das doenças transmitidas pelo mosquito vetor e essas informações são repassadas diariamente para uma sala estadual que funciona em Natal, que, por conseguinte as repassa para o ministério da saúde.


Um último ponto que tratamos com o supervisor de endemias Jacauna Lopes foi em relação a necessidade da vinda do chamado carro fumacê para Angicos como também dos chamados homens fumacê ou borrifadores.


Neste caso Jacauna nos explicou que para todos os que trabalham com endemias na FUNASA, por exemplo, que é o órgão que faz a concessão destes carros para os municípios, quando uma cidade solicita a vinda do carro fumacê é sinal de que a situação está fora de controle, que já tem muitos mosquitos voando e que o trabalho da equipe local que é o de combater o mosquito antes de ele nascer não surtiu efeito. Portanto, solicitar o carro fumacê não é nenhuma virtude para um prefeito ou secretário de saúde, é como se fosse o ultimo recurso a ser utilizado, pois, esta cidade está infestada de casos das doenças e jogar veneno na população é de fato a última alternativa, o que no momento nós garantimos que não há essa necessidade para Angicos, relatou Jacauna.


Em relação aos homens borrifadores, Jacauna nos explicou que estes são acionados quando são detectados pela equipe de campo (os agentes de endemias) muitos casos de dengue, por exemplo, é uma única localidade, aí os borrifadores são acionados e farão uma espécie de isolamento endêmico da área afetada entrando de casa em casa borrifando aquela localidade com o objetivo de eliminar mosquitos que já em fase adulta (no caso a femea) e picando os moradores daquela área causando os casos. Este exemplo que nós citamos é para que os leitores entendam a necessidade da utilização desses profissionais, porém, em nossa cidade até o momento não houve a necessidade de utilizar esse método, temos os equipamentos, temos os profissionais capacitados, no entanto, temos que ser prudentes, se não encontramos casos de precisar isolar uma área devido a um possível surto de dengue, não há porque ficar jogando veneno nas pessoas esclareceu Jacauna.


Foi uma entrevista esclarecedora que fizemos com o supervisor de endemias do município de Angicos, Jacauna Lopes de Araújo. Percebemos que este trabalha de forma correta, sem omitir fatos e principalmente demonstrando firmeza nas informações a nós repassadas e confiança no trabalho de sua equipe.


Parabenizamos a toda à equipe de endemias do município de Angicos e a todas as equipes que estão colaborando para uma melhor eficácia das ações, pois, só que ganha com isso é a população angicana. O trabalho de combater o mosquito antes que nasça é de fundamental importância para que um número bem menor de casos de dengue, febre chikungunya e zika vírus venha a acontecer na cidade. Eles vão acontecer? Claro que vão, é como Jacaúna nos falou, não vamos ser levianos em dizer que não teremos casos, mais pelo trabalho que está sendo feito de prevenção com certeza estes serão bem mais brandos que em outras localidades que já vivem em surto ou epidemia dessas doenças.



É importante essa conscientização da população, quando tiverem duvidas procure o setor de endemias na secretaria municipal de saúde. Evite ficar ouvindo informações desencontradas que só fazem causar medo e pânico nas pessoas. Esse é o recado que o nosso blog deixa a população angicana neste momento. E vamos continuar fazendo a nossa parte na prevenção contra o mosquito aedes aegypti ajudando aos profissionais de saúde que combatem esse mal em nossa cidade todos os dias buscando cumprir de forma minuciosa todas as solicitações que foram feitas pela normativa de controle do mosquito aedes aegypti enviada pelo ministério da saúde.


fonte do blog de angicos news