segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Dirigentes do MSTTR reúnem-se hoje em Coletivo Ampliado de Política Agrária para discussão sobre o Programa Nacional de Crédito Fundiário




FOTO: César Ramos

A diretoria da CONTAG e dirigentes das pastas de Política Agrícola, Política Agrária e Juventude das 27 federações reuniram-se hoje (24) em Brasília para debater e definir conjuntamente as posições políticas para a continuidade do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) e para as demais políticas executadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). A secretária-executiva do MDA, que hoje atuava como ministra interina, Maria Fernanda Coelho, participou da reunião para apresentar as propostas do governo federal e para ouvir questões e demandas dos dirigentes sindicais.

Além de profunda análise de conjuntura, o Decreto nº 8.500 - assinado pela presidenta Dilma Rousseff em 12 de agosto, dia da Marcha das Margaridas - está entre os principais temas da pauta do Coletivo Ampliado. O decreto eleva os limites de renda e patrimônio para os candidatos ao PNCF e é uma conquista da luta e pressão do MSTTR em todas nossas ações de massa. “Reconhecemos o Crédito Fundiário como um importante instrumento para o acesso a terra em nosso País, mas o principal foco de nossa luta sempre foi, e sempre será, a Reforma Agrária, que anda a passos vagarosos. O PNCF, portanto, precisa ser analisado para efetivamente funcionar a favor dos trabalhadores e trabalhadoras rurais que devem ter direito a terra para trabalhar e produzir”, afirmou o presidente da CONTAG, Alberto Broch.

Para o secretário de Política Agrária da CONTAG, Zenildo Pereira Xavier, ainda é preciso discutir tudo o que ficou de fora do decreto, como valores das taxas, prazos, rebates e outras questões. “Precisamos levar em consideração que estamos em meio a uma crise econômica, mas que esse cenário vai mudar e não podemos fixar taxas e outros valores de longo prazo nos baseando em um momento econômico difícil, o que pode dificultar o funcionamento do programa”, ponderou o secretário.

Como parte da programação do Coletivo, os dirigentes sindicais debaterão as questões colocadas pela secretária-executiva e pelo secretário de Reordenamento Agrário do MDA, Adhemar Lopes, e definirão os encaminhamentos e estratégias para a manutenção de taxas de juros adequadas aos trabalhadores (as) e outras medidas para fortalecer a Reforma Agrária e a Agricultura Familiar.

fonte do site da contag