quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Rio Grande do Norte precisa de 100 milhões de reais para enfrentar a seca


O governo estadual apresentou uma planilha de investimentos da ordem de R$ 100,9 milhões ao governo federal para ampliar a oferta de água potável à população do Rio Grande do Norte, que enfrenta escassez de recursos hídricos por conta de quatro anos de seca. Essa é a terceira vez que o governo Robinson Farias envia um plano de ação pra mitigar a sede na região semiárida do Estado, que agora contempla cidades em situação de colapso de água, ao invés de dez, como era em fevereiro, quando foi apresentado o primeiro plano emergencial ao Ministério da Integração Nacional com uma previsão de investimentos de R$ 63 milhões.

O secretário estadual de Recursos Hídricos, José Mairton de França, disse que os dois planos anteriores foram atendidos em parte pelo governo federal, que no começo do ano ficou de repassar cerca de R$ 4 milhões para abastecimento da zona rural por carros pipas. José M. de França admitiu que os outros planos de ação para minimizar os efeitos da seca, “foram elaborados sem a gente ter uma posição do governo federal sobre a definição das linhas de apoio, nem quais seriam a disponibilidade em relação a isso”.

Em relação a liberação dos recursos, França disse que não sabe “nem quando e nem quanto será”, mas o governo deu um prazo até ontem (30 de novembro) para o envio da planilha, por causa do  fechamento do orçamento de 2015 da União: “Os recursos viriam do orçamento deste ano, por isso a presidenta deixou esse prazo”. 

França reportou  que na reunião da presidente Dilma Rousseff com os governadores do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte, no dia 19 de novembro, em Brasília, ficaram definidas cinco linhas de apoio parte do governo federal: aquisição de dessalinizadores; ampliação da operação carro pipa, agora para as zonas urbanas; compra de perfuratrizes e perfuração de poços de grande vazão de água e construção de uma adutora engate rápido para abastecimento de água de Caicó. No começo do ano, o pleito do governo estadual previa investimentos de R$ 63 milhões, incluindo a compra de ração animal, que o governo federal pôs fora das linhas de apoio. 

O secretário de Recursos Hídricos informou que o Estado pleiteia R$ 62 milhões para a construção de uma adutora de engate rápido para atender Caicó, que dentro de dois meses deixará de ser abastecida pelo açude Itans e até maio deve entrar em colapso de água, embora até exista oferta de água para uma parte da cidade a partir do Piranhas-Açu, com águas oriundas do complexo Coremas/Mãe-d’Água, na Paraíba.  Segundo França, o governo federal está priorizando apoio à Paraíba e Rio Grande do  Norte, principalmente, que serão os últimos estados do Nordeste a receberem águas da transposição do Rio São Francisco. França disse, ainda, que a continuar a previsão de seca por causa do fenômeno El Nino, o Estado só terá água disponivel em volume considerável das barragens de Umari, em Pendências; Santa Cruz, em Apodi e da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, em Assu, que se não chover mais “entrará em volume morto em setembro de 2016”.
Recursos
Estimativa para recursos hídricos
- Adutora de engate    R$ 62 milhões
- Dessalinizadores    R$ 9,9 milhões
- Perfuratrizes     R$ 7 milhões
- Perfuração/poços    R$ 22 milhões
- Total     R$ 100,9 milhões
Fonte - Semarh
fonte do blog de angicos news