segunda-feira, 1 de agosto de 2016


Caminhos para o MSTTR...





FOTO: César Ramos



Na busca para fortalecer a representação e representatividade da categoria dos trabalhadores e trabalhadoras que estão no meio rural brasileiro, o MSTTR, através de suas instâncias (CONTAG, Fetag´s, Sindicatos e Delegacias Sindicais de Base), constantemente se organiza, se aprimora e discute vários temas de interesse dos povos do campo, da floresta e das águas.

Um desses espaços foi o Conselho Deliberativo da CONTAG, que encerrou nesta sexta-feira (29 de julho), onde por dois dias e meio, muitos temas foram debatidos, a exemplo das eleições municipais de 2016; avaliação das ações do dia 16 de junho e da Plenária da 3ª Idade e Idosos e Idosos Rurais; análise dos encaminhamentos do Fórum de presidentes do MSTTR; apreciação do documento da Previdência Social Rural; debate sobre a “Dívida Pública e seus impactos nas Políticas Sociais”, com a professora e ex-auditora da Receita, Maria Lúcia Fattorelli, que trouxe em sua fala o tema da dívida pública, como essencial para compreensão da natureza do pacote de medidas que está sendo colocado com regime de urgência pelo Congresso Nacional.


Aprovado o regimento do 12º CNTTR

Vale ressaltar que entre tantos temas importantes para categoria, a aprovação do regimento interno do 12º Congresso Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais da CONTAG, marcou o Conselho Deliberativo da Confederação de julho. Aprovado por unanimidade, o regimento do 12º CNTTR, que acontece de 13 a 17 de março de 2017, em Brasília-DF, trouxe mais de 100 artigos, que foram minunciosamente debatidos pelos mais de 150 delegados e delegadas presentes no Conselho.

“Foi um debate muito acalorado com muitas visões diferenciadas. Ele é complexo mesmo. Assim, debatemos conjuntamente as principais decisões que constam no regimento, como: a forma das candidaturas, do registro de chapa, os prazos, quem pode ou não, ser delegado(a) no 12ª CNTTR; quais caminhos para chegar a ser delegado ou delegada. Assim, o regimento estabeleceu que todos os Sindicatos filiados as Federações e CONTAG que estão em dia, têm um prazo para fazer Assembleia, onde vão escolher 4 delegados(as), respeitando a paridade de gênero, contemplando no mínimo 20% de jovens e pessoas da 3ª Idade e Idosos(as) Rurais, para participar de uma grande Plenária Regional, Micro Regional ou Estadual, para debater por dois dias o Documento Base que norteia o debate político da CONTAG”, destacou o presidente da CONTAG, Alberto Ercílio Broch, após a aprovação do documento.

O presidente da CONTAG aproveitou para pontuar que o conjunto do MSTTR deve ficar atento para os prazos de inscrições, forma de credenciamento dos delegados(as), quem pode e quais os mecanismo centrais que estão no regimento.

12º CNTTR

Maior instância deliberativa do MSTTR, o Congresso da CONTAG tem caráter temático e eleitoral, e se constitui como um momento em que os trabalhadores e trabalhadoras rurais do Brasil, deliberam sobre os rumos do Movimento Sindical. É lugar de profunda avaliação da caminhada dos últimos anos, onde são projetadas as principais diretrizes para os próximos 4 anos do conjunto do MSTTR.

“O 12º CNTTR será uma excelente oportunidade de fazer uma avaliação da conjuntura nacional e internacional, debater a organização sindical, os principais temas da agricultura familiar, temas sociais, como: previdência, saúde, educação. Todas essas discussões em um momento que a CONTAG passa a representar a Agricultura Familiar, levando em consideração quais os grandes desafios que implicam na organização sindical, para que a CONTAG e o conjunto do MSTTR se aperfeiçoe, para verdadeiramente representar os agricultores e agricultoras familiares”, pontuou Alberto Ercílio Broch.

Avaliação do Conselho Deliberativo



“No momento que estamos passando tantas dificuldades no País, sobretudo no campo político, foi importante parar para debater sobre os caminhos para nosso 12º Congresso da CONTAG, que estaremos realizando em 2017. Conseguimos chegar a um denominador comum. Outro debate importante foi da avaliação das eleições municipais . Aproveito para parabenizar toda direção da CONTAG por fazer um Conselho justamente nesse momento que estamos em correria nas eleições na base”, ressaltou Moisés de Sousa santos, delegado da região Norte.

“O Conselho traz esperança. No meio de tantas turbulências, conflitos e riscos de perca de direitos, temos uma estrutura forte formada por lideranças que estão unificadas na busca de alternativas, na defesa de nossos direitos. Esse processo só se torna forte porque temos a participação das mulheres, juventude e 3ª idade. O Conselho é lugar certo para tomarmos vários encaminhamento necessários para os trabalhadores e trabalhadoras seguirem fortes e na luta”, Ranielle Badiani Bianchi, delegada região Sudeste.

“O Conselho Deliberativo foi muito importante, pois trouxe vários esclarecimentos sobre a conjuntura política, o que nos possibilitou uma forma de avaliar e fazer um melhor debate na nossa base, com os nossos pré-candidatos e candidatas que estarão disputando as próximas eleições. Parabéns para CONTAG por ter trazido as informações na hora certa”, destacou o delegado da região Centro-Oeste, Lucindo Alves dos Santos.

“O Conselho representa a qualificação do debate em defesa dos nossos trabalhadores e trabalhadoras rurais. Espaço da CONTAG refletir junto com todas as Federações do Brasil, no que se refere ao alinhamento das demandas e necessidades. Por isto, o Conselho é muito importante para a direção da CONTAG, Fetag´s, Sindicatos e nossa base, estarmos em um só contexto”, Marielle dos Santos Silva, delegada da região Nordeste.

“Participar do Conselho Deliberativo da CONTA
G é ter clareza política em representar com mais ênfase e aptidão os nossos trabalhadores e trabalhadoras rurais que estão lá na base dos nossos sindicatos. Para assim, conjuntamente, criarmos estratégias para que o nosso MSTTR fique cada vez mais expressivo e representativo”, Vanessa Parissenti, delegada da região Sul.
 
FONTE: Assessoria de Comunicação CONTAG - Barack Fernandes