sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Nota contra a truculência e repressão do Estado - pelo direito à livre manifestação






FOTO: Luiz Fernandes


Nós, jovens trabalhadores e trabalhadoras rurais, participantes da 3ª Plenária Nacional da Juventude Rural, fomos às ruas no dia 29 de novembro de 2016 nos somando à manifestação contra a PEC 55, a Reforma do Ensino Médio e em defesa dos direitos sociais, como a saúde e a educação, conquistados com muita luta ao longo de anos e garantidos pela Constituição de 1988.

A Proposta de Emenda à Constituição – PEC 55 prevê o congelamento dos investimentos sociais por 20 anos, que impactarão no retrocesso de direitos, no desmonte do Estado e das políticas públicas de interesse da classe trabalhadora.

No momento em que milhares de manifestantes, em sua maioria estudantes, professoras e professores, se encontravam na Esplanada dos Ministérios, exercendo seu legítimo direito de participação, o Governo de Brasília agiu de forma truculenta. A polícia militar reprimiu a manifestação com atos de contensão e dispersão, utilizando “bomba de efeito moral”, gás de pimenta, com aparato de choque, cavalaria e helicópteros, causando muita confusão, correria, pessoas feridas e ilegalmente detidas.

Além de promover a violência contra as e os manifestantes, o Governo de Brasília, irresponsavelmente, não disponibilizou assistência na rede pública de saúde. Durante o ato, dezenas de pessoas necessitando de atendimento, desmaiadas, com sintomas de intoxicação, feridas pelos estilhaços e pela correria não tiveram o direito de atenção à saúde garantido. Na urgência e emergência dos hospitais públicos próximos, não havia sequer profissionais médicos de plantão.

Atitudes como esta vêm se repetindo pelo país. Não admitimos posturas que ferem a Democracia, criminalizam os movimentos sociais e expressam o autoritarismo e o desrespeito ao Estado Democrático de Direito.

Após isso tudo, no fim da noite de terror, a PEC 55 foi aprovada no Senado por 61 votos a favor e 14 contra. O golpe é contra os direitos do povo.

Se a intenção é nos calar, reafirmamos que nosso compromisso é com a defesa dos direitos sociais e com a democracia no nosso país.

Não nos calarão, resistiremos em luta!!!

Fora Temer!!!

Nenhum direito a menos!!!
FONTE: Comissão Nacional de Jovens da CONTAG