sexta-feira, 3 de março de 2017

Ministro promete retomar contratações do Minha Casa Minha Vida Entidades







FOTO: Arquivo Pessoal



Depois de quatro tentativas frustradas, os representantes dos movimentos sociais do campo e da cidade e da Frente Parlamentar em Defesa da Moradia Social conseguiram se reunir com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, e com sua equipe na tarde desta quarta-feira (22), em Brasília, para negociar os pontos reivindicados pelas entidades a respeito do programa Minha Casa Minha Vida.

No dia anterior, trabalhadores e trabalhadoras de alguns estados, organizados pelos movimentos, fizeram manifestação em frente ao Ministério para cobrar esse encontro. A pauta entregue ao ministro contém itens que unificam o campo e a cidade e pontos específicos de cada segmento.

Segue a pauta:

Programa Minha Casa Minha Vida:
•Inversão da política de subsídio com ampliação da faixa1 e aumento da produção na faixa 1 em função do perfil do déficit;
•Controle social de todas as etapas do programa;
•Melhor localização dos empreendimentos com incentivo para a utilização dos instrumentos do Estatuto da Cidade.

Programa Minha Casa Minha Vida Entidades:
•Retomada imediata das seleções e das contratações do Programa Minha Casa Minha Vida Entidades,
•Definição de meta para os 3 anos do programa MCMV Entidades, com 300 mil unidades habitacionais;
•Consolidação do Comitê de Monitoramento das Entidades do programa Minha Casa Minha Vida Entidades, composto pelo Ministério das Cidades, CAIXA e movimentos, para discussão dos normativos e andamento do programa, com reuniões periódicas e encaminhamentos das questões levantadas;
•Discussão dos novos normativos do programa (resolução, Instrução Normativa, portarias) com as entidades valorizando a organização dos movimentos;
•Manutenção e aprimoramento das modalidades de compra antecipada e assistência técnica;
•Priorização para a faixa 1 do Programa, onde se concentra a maior parte do déficit habitacional;
•Abertura da Faixa 1 e meio para a atuação das entidades e da autogestão;
•Fortalecimento da autogestão na produção habitacional;
•Destinação de áreas da SPU e INSS para habitação popular, para as entidades habilitadas no MCMV Entidades.

Programa Minha Casa Minha Vida Rural:
•Retomada imediata das contratações do Faixa 1 com estabelecimento de calendário de distribuição das 35 mil unidades previstas no orçamento de 2017;
•Garantia de contratação das demandas qualificadas das entidades nacionais pertencentes ao Comitê Rural do Ministério das Cidades;
•Estabelecer critérios para qualificação dos empreendimentos que serão contratados;
•Formalização do comitê rural e estabelecimento de um calendário de reuniões para 2017;
•Garantir que o Faixa 1,5 atenda o público do rural e podendo ser operacionalizado pelas entidades organizadoras;
•Discutir o MCMV Rural regionalizado diante das especificidades e logística de cada região;
•Permissão para que beneficiários contemplados em programas habitacionais anteriores ao FGTS, PSH e PNHR (CADMUT) possam ser atendidos, seja para reforma ou para construção dos beneficiários, que estão morando efetivamente no meio rural.

MP 759/2016 – Regularização Fundiária:
•Retirada da medida provisória 759 do Congresso Nacional e abertura de discussão com a sociedade sobre o tema.

Conflitos Fundiários Urbanos:
•Retomada da política de prevenção aos conflitos;
•Monitoramento e participação do governo federal na mediação de conflitos Controle Social e Participação;
•Respeito ao calendário e às atribuições do Conselho Nacional das Cidades;
•Definição da realização da 6ª. Conferência Nacional das Cidades;
•Retomada da discussão do Sistema Nacional de Desenvolvimento Urbano;
•Posição clara do governo contra a criminalização dos movimentos populares.

ENCAMINHAMENTOS
Depois de apresentação da pauta e negociação com o ministro e sua equipe, a audiência conseguiu avançar em alguns encaminhamentos. Um deles é o compromisso do ministro em retomar a contratação imediata da Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida Entidades, já em março desse ano, sendo 35 mil moradias para o urbano e 35 mil para o rural.

Serão estabelecidos critérios para a qualificação dos empreendimentos que serão contratados e esses critérios serão construídos de forma conjunta entre o Ministério das Cidades, agentes financeiros (Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) e movimentos sociais. A partir desses critérios, as demandas qualificadas serão contratadas.

O ministro garantiu, ainda, que a Faixa 1,5 para o rural será construída conjuntamente dentro do Comitê de Habitação Rural. Além disso, será feita uma discussão pelo Comitê sobre o MCMV Rural Regionalizado e a possibilidade de integrar o MCMV Rural a outras políticas específicas, como saneamento rural, captação de água, energias renováveis e quintais produtivos. Outro ponto negociado é a retirada dos beneficiários que estão impedidos de acessar o programa por estarem no CADMUT.

Ficou agendada a reunião de retomada do Comitê Rural de Habitação para o dia 14 de março, e a CONTAG faz parte deste fórum. “Os movimentos saíram satisfeitos dessa audiência e com a esperança de que o que foi acordado venha a ser cumprido. Nesse sentido, é importante que as entidades ligadas à CONTAG estejam credenciadas, conforme orientações no site do Ministério das Cidades, para que possam executar o programa”, informa o secretário de Política Agrícola da CONTAG, David Wylkerson.

ENTIDADES QUE SUBSCREVEM A PAUTA E QUE PARTICIPARAM DA AUDIÊNCIA:
Central dos Movimentos Populares - CMP
Confederação Nacional das Associações de Moradores - CONAM
Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares – CONTAG
Confederação Nacional dos Trabalhadores Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil – CONTRAF-BRASIL
Conselho Nacional das Populações Extrativistas - CNS
Coordenação Nacional das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – CONAQ
Movimento Camponês Popular - MCP
Movimento de Luta dos Bairros e Favelas - MLB
Movimento de Luta pela Terra - MLT
Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA
Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras por Direitos - MTD / MOTU
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra - MST
Movimento dos Trabalhadores Sem Teto - MTST
Movimento Nacional de Luta por Moradia - MNLM
União Nacional por Moradia Popular - UNMP
FONTE: Assessoria de Comunicação CONTAG - Verônica Tozzi